7 de novembro de 2011

Bandeiras vermelhas para dor lombar

Nesta postagem abordarei um tema que julgo bastante importante para nossa prática clínica. Como sei que muitos pacientes leem esse blog com o intuito de descobrir ou tem mais informações acerca dos problemas que lhes afligem, advirto que o tema abordado nesta postagem é bastante amplo e faz parte de uma minuciosa investigação clinica. As coincidências encontradas no post não poderá ser encarada como suficientes para um diagnóstico clínico. Portanto, não sofram à toa.
É bastante comum o relato de dor lombar numa clínica fisioterápica. Afinal, dor lombar crônica tem sido diagnosticado de maneira bastante simplória, mas isso é motivo para outra postagem. Mas a questão é, essa dor poderá ser indicativo de algo mais sério? Segundo Waddell (2004), 1% dos paciente com lombalgia poderá ter uma patologia grave da coluna vertebral. Algum de nós podermos receber um paciente dentro dessa margem de probabilidade.

Por isso devemos nos atentar para as chamadas bandeiras vermelhas, que poderá guiar a ajudar o paciente, mesmo não fazendo nada além do que orientar.
As bandeias vermelhas, no caso das lombalgias, são os indicadores de uma possível patologia séria da coluna vertebral. As mais comuns são:

a)    Idade de aparecimento <20 e > 55: associado a doença vertebral séria ou problema estrutural;
b)    Dor durante tosse e/ou espirro: está mais relacionado com doença discal, onde esta ação aumenta a sintomatologia do paciente; apesar de ser a menos significativa, é importante considerar;
c)    História recente de trauma: a coluna vertebral é improvável de fraturar, a menos que haja trauma significativo, associado a osteoporose ou história de uso de esteroides – essas condições enfraquecem o tecido ósseo;
d)    Dor não mecânica progressiva e constante: dor sentida por 24 horas, independente do que o paciente faça; podendo aumentar ou diminuir a intensidade, mas sendo sempre presente.
e)    Dor noturna: dor que aumenta, usualmente do modo severo, de tal modo que o paciente tenha que se levantar da cama e procurar por algum alívio em uma posição mais ereta; pode ser sugestivo de neoplasia.
f)     Dor torácica: a coluna torácica é o local de neoplasias primárias e de tumores metastáticos secundários, principalmente aqueles derivados de locais como próstata e a mama.
g)    Antiga história clínica de câncer: a maioria dos cânceres que envolvem a coluna vertebral é metastática derivada da mama, do pulmão ou da próstata, outros cânceres primários prováveis de gerar metástase óssea é o de rim e tireóide.
h)    Uso de esteroides por tempo prolongado: o efeito dessas medicações é evidenciado por alterações osteoporóticas na coluna vertebral;
i)      HIV: possibilidade de apresentar infecções na coluna vertebral;
j)      Alterações neurológicas disseminadas;
k)    Perda inexplicada de peso;
l)      Perda importante da flexão lombar.
É importante ter em mente que as bandeiras vermelhas são apenas indicadores de fatores de risco para problemas mais sérios. A presença delas não garante que o paciente tem algum problema sério em curso, nem sua ausência garante que tudo está bem.

Referências:
FERGUSON, F. Dor lombar.  Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.


Por:
Ft. Esp. José Diêgo Sales, DQ.
Organizador do Blog

Nenhum comentário: