1 de março de 2011

O porquê do "Creck" - Parte II

                Recentemente fiz uma postagem para explicar o porque uma articulação produz certo estalido quando manipulada de forma rápida, como é feita em algumas técnicas manuais. Se checarem a postagem, verão alguns comentários de Patrícia, bastantes pertinentes e que fiquei curioso em pesquisar, virando mais uma postagem e tema para discussão. Na verdade, fiz uma rápida tradução de um artigo, mas deixo a referência para quem quiser ir à fonte e esmiuçar mais um pouco sobre o assunto.
                Bom a discussão é sobre os estalidos que são produzidos ao realizar movimentos específicos de forma lenta, que se repetidos continuam a “estalar”, sendo estes também audíveis. Esse fenômeno é diferente do que foi descrito na última postagem. Comumente é visto no quadril, recebendo a terminologia de clicking hip ou snapping hip (click/snap = estalo/rotura; hip= quadril).
                Esses estalidos podem ser dolorosos e desconfortáveis, atingindo, mais freqüentemente atletas jovens, sendo as mulheres mais afetadas que os homens.
                Os estalos podem vir de origem externa à cápsula articular ou interna. Nas de origem externas, as causas mais comuns são o espessamento da banda do trato íliotibial e do tendão do glúteo máximo, que desliza sobre o trocânter, provocando o som audível. Isso pode levar de um leve desconforto a bursite trocantérica. O paciente geralmente consegue reproduzir o som ao realizar os movimento, apresenta uma gama de movimento ampla, pode sentir sobre o trocânter, que pode ser devido a bursite ou patologia subjacente,
                As causas para o estalo de origem interna parecem está relacionado com o espessamento do tendão do músculo iliopsoas, afastando do iliopectíneo da cabeça do fêmur. O diagnóstico pode ser realizada clinicamente a partir de testes realizando um flexão e rotação externa do quadril a partir da adução e extensão. Ressonância magnética e ultra-sonografia estática pode mostrar tendinites e bursites, mas estudos dinâmicos, como iliopsoas bursography EUA e dinâmicas podem demonstrar a subluxação do tendão. Tanto nestes casos como no esterno, condutas fisioterápicas de alongamentos específicos para musculatura acometida são indicados, além do acompanhamento com anti-inflamatórios.
                Possíveis causas articulares são: corpos soltos, condromatose sinovial, exostoses osteo-cartilaginoso e rasgos labral acetabular (labrum acetabular). Muitas dessas patologias são facilmente identificadas em qualquer filme simples ou ressonância magnética. Rasgos labral acetabular, porém, mais difícil de diagnosticar. Os doentes com patologia subjacente do quadril, como a displasia de desenvolvimento ou doença de Perthes anteriores, são bem conhecidos para estar no risco aumentado de desenvolvimento de rasgos labral acetabular entre outras patologias labral. Atletas cujo esporte inclui torcer repetitivos no quadril são mais freqüentemente afetados, assim como os corredores (8,25). É uma importante condição para reconhecer e tratar como ele pode ser um precursor para o desenvolvimento de osteoartrite.

                Os sintomas podem ser agudos, mas mais comumente ocorrem ao longo de vários meses. Os pacientes se queixam de uma dor aguda 'pegando' na virilha, que pode irradiar para baixo da coxa. Muitas vezes, é provocada por um movimento de giro e, inicialmente, dura apenas alguns minutos, mas se torna mais freqüente e duradoura. Outro diferencial é que a maioria dos pacientes tiveram um limp em algum estágio de sua história, em contraste com os pacientes com causas extra-articular para a sua estalo.



Referência

Clicking hip (snapping hip syndrome) causes, diagnosis and treatment, disponínel em: http://www.sportsinjurybulletin.com/archive/clicking-hip.html

Portado por: Ft. José Diego Sales, DQ.

Autor do Blog

Integrante do Centro Paraibano de Quiropraxia

2 comentários:

Unknown disse...

Muito boas as postagens de: O porquê do clik I e o II!
Parabéns Zé Diego!
Quero deixa mais um comentário a respeito disso, sobre os ruídos da ATM. Os ruídos da ATM são muito comuns, e na grande maioria dos casos são por descompassos entre a superfície articular do côndilo e o disco articular, ou mesmo por uma questão ligamentar. Uma boa avaliação e FISIOTERAPIA, poderiam diminuir esses sons articulares e a presença de dor, que pode vir ou não associada ao ruído. Claro que o diagnóstico de qualquer som patológico deve ser feito antes de ser prescrito qualquer tratamento.

Patricia Lobo disse...

Olá José, só agora vi o seu post, que bom que ficou com a pulga atras da orelha hihih, e assim conseguiu explicar de uma otima maneira e assim ja fico mais esclarecida. Ainda bem que existem pessoas como vc que buscam sempre o conhecimento, irei ler melhor o artigo e ver se resolvo isso do tal do click hip!! Obrigada e parabéns mais uma vez pelo blog.