16 de julho de 2010

Estabilização da coluna vertebral



Sabe-se da função estática e dinâmica da coluna vertebral. Para que ambas ocorram de forma harmônica, é preciso uma boa estabilidade. Tal estabilidade fundamenta-se em um tripé: elementos estáticos, elementos dinâmicos e controle motor. Quando, por algum motivo, um desses elementos não atua de maneira correta, ocorre um processo que culminará, fatalmente, em instabilidade e com ela uma série de sintomas que podem ser diretamente associados e outros que são resultantes de processo de compensação postural.
Os elementos estáticos respondem passivamente, oferecendo força tensora contra o movimento. São eles: ligamentos espinhais, discos intervertebrais, cápsulas articulares, articulações facetárias e corpos vertebrais. Como elementos dinâmicos temos ainda dois grupos: musculatura global ou superficial e musculatura segmentar ou profunda (ver tabela). A predominância de fibras dessa musculatura é do tipo I, o que caracteriza a função estabilizadora desses músculos. Lesões e dor lombar traz mudanças na conformação de distribuição de fibras e faz esse músculos se comportarem com característica fásica.
O que não pode deixar de ser enfatizada e compreendida é a ação do controle motor no processo de estabilização. Esses músculos agem de maneira antecipatória ao movimento. Informações aferentes chegam ao SNC, que elabora e manda um comando efetor, caracterizando assim a coordenação neuromuscular. As informações propriocepitivas partem das capsulas articulares, disco intervertebral e ligamentos, como também do próprio músculo que entrará em ação. Qualquer informação incoerente nesse mecanismo proprioceptivo levará a um controle estabilizador deficiente.
Posteriormente será postado nesse blog como se dá o treinamento de estabilização segmentar para coluna lombar e cervical.

Referências:

SIQUEIRA, G.R.; SIVAL, G.A.P.; VIEIRA, R.A.G. Anatomia biomecânica e estabilização da coluna. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2009.
KISNER, C.; COLBY, L.A. Exercícios terapêuticos: fundamentos e técnicas. 5a edição. São Paulo: Manole, 2009.
PANBAJI, M.M. Clinical spine instability and low back pain. J Electromyogr Kinesiol, v.13, n4, p. 2383-397, 2003.




José Diego Sales
Organizador do Blog

Nenhum comentário: