20 de julho de 2010

Desequilíbrio Muscular

 
            Antes de detalhar o treinamento para a ESV da coluna cervical, é necessário que se conheça as repercussões trazidas pela postura hiperlordótica nessa região. O que será enfatizado aqui são os desequilíbrios musculares.
            Observa-se que a linha de gravidade passa tangenciando as vertebrais cervicais (cervical alta e algumas vértebras cervicais posteriores, fig. 1), de modo a fazer a cabeça lutar contra um desequilíbrio anterior (Busquet, 2001). Fica clara a mudança no torque dos músculos atuantes na região cervical. Essa mudança influenciará na alteração dos músculos em questão, tendo que se adaptar às novas condições impostas e necessárias para a manutenção da funcionalidade. Para isso, os músculos devem trabalhar mais do que precisava, ficando então espasmado e gerando trigger points (veja a postagem sobre trigger points neste blog), ou ficando fraco (veja postagem sobre energia muscular neste blog). Se um músculo fica fraco, outro músculo deverá assumir a função não completa por este.


            A região cervical tem uma relação íntima com a articulação temporomandibular (ATM), de forma que disfunções na postura cervical levam a transtornos na biomecânica da ATM que, se mantida, levarão a disfunções ou desordens temporomandibulares. Parte dessas disfunções pode ter, como importante fator causal, o desequilíbrio muscular. A exemplo do dos músculos supra-hióideos infra-hióideos, que músculos que auxiliam no equilíbrio da mandíbula contra os músculos da mastigação, que com a postura anteriorizada da cabeça tendem a ficar mais alongados e enfraquecidos, juntamente com o músculo longo do pescoço. Este último auxilia a ação do esternocleidomastoideo (ECOM) na flexão da cabeça ao diminuir a lordose cervical. Estando enfraquecido, a ação em diminuir a lordose cervical estará diminuída, exigindo, portanto, uma maior ação do ECOM.
 Aí está, de forma bastante resumida, uma explanação sobre o desequilíbrio muscular que auxiliará no entendimento da conduta de ESV cervical da postagem posterior.

José Diego Sales
Organizador do Blog

SAITO ET, AKASHI PM, SACCO IDE C. Global body posture evaluation in patients with temporomandibular joint disorder. Clinics: 64(1):35-9,2009.

CHAITOW, L. Técnicas de Energia Muscular. 3° edição. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008, 320 p.

HONG, C. Z.; SIMONS, D. G. Pathophysiologic and electrophysiologic mechanisms of myofascial trigger points. Arch. Phys Med Rehabil, v. 55, p 863-72, 1998.
BUSQUET, Léopold. As cadeias musculares: tronco, coluna cervical e membros superiores. Belo Horizonte: Edições Busqut, 2001.
SIQUEIRA, G.R.; SIVAL, G.A.P.; VIEIRA, R.A.G. Anatomia biomecânica e estabilização da coluna. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2009.
KISNER, C.; COLBY, L.A. Exercícios terapêuticos: fundamentos e técnicas. 5a edição. São Paulo: Manole, 2009.

Nenhum comentário: