14 de fevereiro de 2009

Desequilírios Estáticos (parte I)

GLOBALIDADE
É muito prazeroso dissertar sobre as questões dos desequilíbrios estáticos, principalmente para mim que sou um amante das questões biomecânicas.
Antes de adentrar no próprio conceito do mérito, me parece importante ressaltar o que vem a ser “Globalidade”. Esta, bem apontado por Marcel Bienfait, consagra-se como o verdadeiro responsável pela integração das unidades musculares de todo o corpo através de um tecido conjuntivo fibroso. A integralidade não somente se apresenta nas relações de sincronismo das fibras de um músculo, como por exemplo, as do bíceps braquial em sua flexora, mas também no âmbito das cadeias musculares anteriores e posteriores. Poderíamos nos perguntar que tecido fibroso é esse capaz de dá unidade a um sistema tão amplo como é o muscular. Na realidade, este tecido conjuntivo fibroso recebe várias denominações, dependendo do local. Hora é chamado de peri, endo ou epimísio, por outras de fáscia, aponeuroses...... Em fim, não importa a sua nomenclatura e sim sua capacidade de tornar o corpo estruturalmente um sistema interligado. Portanto, ficaria muito difícil e até incoerente querer separar o sistema muscular do tecido fibroso que a compacta e integra em todo corpo, sendo assim denominado de sistema músculo-aponeurótico.


Johnnatas Mikael

4 de fevereiro de 2009

Mobilização Articular e Tração

Mobilização Articular

Introdução

É uma técnica muito eficaz no tratamento de disfunções articulares, controlando a dor e devolvendo os movimentos artrocinemáticos normais. Os movimentos artrocinemáticos são pequenos movimentos que acontecem dentro da articulação, necessários para os movimentos osteocinemáticos (movimentos de abdução, flexão, extensão, etc). São basicamente três os movimentos artrocinemáticos: giro, deslizamento e rolamento. A perda de algum desses movimentos poderá implicar em dor e conseqüente perda de amplitude de movimento (ADM), levando a hipomobilidade da articulação, “forçando” a uma outra articulação ficar hipermóvel, culminando em compensações que se perpetuarão por todo o corpo.
Através da mobilização articular, a cinemática articular pode ser recuperada devolvendo, então, o movimento osteocinemático normal em sua ADM. A diminuição da dor pode ser explicada pelo realinhamento articular, diminuindo o estresse em torno da articulação, além de efeitos neurofisiológicos como diminuição do reflexo protetor, pela normalidade articular, influenciando a atividade dos receptores articulares, obtendo efeitos proprioceptivos, que irão repercutir na postura. Também pode ser apontada a ação sobre o tecido conjuntivo, diminuindo uma possível contratura no tecido capsular e tendíneo.

Aplicação da Técnica

Para a aplicação dessa técnica é preciso o conhecimento biomecânico e da cinemática articular das articulações a serem tratadas. Também é preciso o conhecimento das posições lose-packed de cada articulação (posição em que há menor congruência articular). O graus de tratamento propostos por Maitland devem ser respeitados, resoeitando sempre ao parâmetro de dor.

Indicações e contra-indicações

Os dois primeiros graus de Maitland podem ser usados para o alívio da dor do paciente no tratamento inicial dos sinais e sintomas. Visando a recuperação de ADM, tendo já resolvido os sinais e sintomas, aplica-se a mobilização de graus III e IV. O grau V é de aplicação altamente específica, de domínio de especialidades como a Quiropraxia e Osteopatia, graduados em fisioterapia, sem uma dessas formações, não estão aptos a realizar esses tipos de manipulações. A dor é o maior parâmetro que irá guiar o terapeuta em seu tratamento. Em casos de artrites inflamatórias, neoplasia, doença óssea, fratura neurológica, deformidades ósseas congênitas e distúrbios das artérias vertebrais, não se deve aplicar mobilização e manipulação articular.

Tração Articular

Assim como a mobilização articular, a tração é uma técnica bastante eficaz para o tratamento dores articulares, capaz de reduzir a dor e aumentar a mobilidade articular. Basicamente, a técnica consiste em separar as superfícies articulares, a qual é perpendicular ao plano tratado. Para se efetuar o tratamento com tração é preciso seguir os graus propostos por Kaltenborn. Também está indicado ao tratamento inicial que pode ser realizado conjuntamente com a mobilização articular. O parâmetro seguido aqui também é a dor. As contra-indicações são as mesmas da mobilização articular.