9 de fevereiro de 2013

Neurofisiologia Articular



                   Todas as técnicas terapêuticas que promovem resultados na sua aplicação precisam e tem um embasamento fisiológico, na mobilização articular não acontece diferente. Sua principal modulação sobre a dor perpassa pela atuação nos receptores articulares.
            Para se entender melhor sobre a neurofisiologia da mobilização articular precisa-se reportar a algumas definições e conhecimento fisiológico dos receptores articulares e a transmissão da dor ao sistema nervoso central (SNC).
            Existem nas cápsulas articulares e nos ligamentos, receptores sensíveis a movimentos ativos e passivos, estes denominados de mecanorreceptores. São, geralmente, classificados pelos algarismos romanos I, II e III, sendo o receptor IV um nociceptor, inativos em situações fisiológicas e funcionais normais.
            Por definição, nociceptores são receptores que transmitem informação dolorosa e fazem isso da periferia para a medula e para os centros mais altos do SNC. Estímulos mecânicos, como pressão, térmicos ou químicos podem ativar nociceptores, que os interpretarão com dolorosos. As terminações nervosas nociceptivas são livres e estão presentes na pele, nos músculos, nas articulações e vísceras.
A transmissão da informação dolorosa é feita por fibras específicas, A-delta e C. Abaixo está listado as principais características dos tipos de fibras responsáveis por informação proprioceptivas e nociceptivas.

Tipo
Velocidade de condução
Diâmetro (micras)
Estrutura
Informação
C
1m/s
0,2-1
Não mielinizada
Dor lenta
A-delta
5 a 30m/s
1-4
Levemente mielinizadas
Dor rápida
A-beta
30 a 70m/s
8-13
Mielimizada
Estímulo mecânico
A-alfa
70 a 120 m/s
13-22

Estímulo mecânico

            Através da tabela acima pode-ser perceber que o estimulo mecânico se propaga muito mais rápido que o doloroso. Parte do efeito conseguido com a mobilização articular se deve a esse aspecto, fundamentando-se na teoria da “comporta da dor”, postulada por Melzack e Wall (1965). Segundo essa teoria, fibras A-alfa e A-beta exerceriam ação inibitória sobre as fibras C, ou seja, um estímulo proprioceptivo seria capaz de gerar inibição (fechar a comporta), total ou parcial, de informações dolorosas. De posse disto, o estímulo mecânico provocado pela mobilização aliviaria a dor por esse mesmo mecanismo, pois uma inibição ocorrida a nível espinhal ocorreria pela estimulação mecânica das fibras A-alfa e A-beta.
            Outro mecanismo, já citado nesse capítulo, é a movimentação do liquido sinovial, levando a uma melhor nutrição das estruturas articulares avasculares que, juntamente com o mecanismo de compressão de tração, estimula a produção de liquido sinovial. Num pensamento mais global do corpo, a recuperação de um movimento articular normal irá retirar o efeito compensatório ocasionado pela mesma a estruturas vizinhas ou distantes, diminuindo o transtorno que possam estar sofrendo.

Por: Dr. Ft. Diêgo Sales

0 comentários:

  ©Portal da Fisioterapia Manual - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo